quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Review: Entrevista com Johnny Depp


Nesta entrevista, Johnny fala sobre seu amor pela Europa, voar em jato particular e por que ele não consegue parar de fumar.

Johnny Depp: “Eu não estou pronto para desistir da minha cidadania americana”

Decca Aitkenhead
guardian.co.uk
 
Domingo 06 novembro de 2011 


Nas semanas que antecederam a esta entrevista, eu comecei a pensar que deveria haver alguma lei que torna ilegal não amar Johnny Depp. Todo mundo se derrete em uma poça à menção de seu nome. Os homens ficam tão fascinados assim como as mulheres – e quanto mais alta a pontuação da fama dos homens, mais profunda a admiração . Keith Richards, Brad Pitt, Marilyn Manson, os irmãos Gallagher – todos os caras todos adoram Johnny -, enquanto a GQ deste mês o elege ” ator mais legal do mundo”. O diretor de “Withnail e eu” foi retirado de sua aposentadoria para fazer mais recente filme de Depp, “pois foi por Johnny” e, recentemente, Ricky Gervais se derreteu ao dizer: “Seus e-mails são como poesia Ele é feito de boemia.”

O que Depp faz para inspirar tudo isso? Eu não tinha certeza de que a chance de tentar descobrir algum dia realmente iria acontecer. A mitologia em torno de Depp lança-o como uma espécie de ‘Pimpinela Escarlate de Hollywood’, tão notoriamente indescritível que um diretor que voou para Londres e passou dias procurando por ele e observou que o segredo para traduzir Depp “é encontrá-lo”. Ele abomina a mídia, uma vez ameaçou os paparazzi com uma placa de rua, e no memorável festival de cinema de Cannes cancelou todas as entrevistas e se recusou a sair da cama. Mas depois de um jogo longo e complicado de ir e vir, ir e vir, ir novamente, ping – pong, na última sexta-feira as portas para uma discreta suíte em um hotel em Londres se abriram, e lá estava ele, debruçado em uma da janela fumando.



Depp parece que deveria estar no Bon Jovi, ou atrás de uma barraca vendendo Zippos no mercado de Camden. A camisa é extravagantemente rasgada, as jóias são fortemente góticas, os óculos são escurecidos e as tatuagens enrolam em torno dele como uma hera. Sua voz oscila entre um sotaque e um rosnado – um profundo murmúrio suspenso do Kentucky -, mas pontuado por rajadas surpresa de Inglês da Rainha, com o anglicismo antigo, fazendo-o soar como Tom Waits fazendo uma audição para ‘My Fair Lady’
Aos 48 anos, o rosto de Depp continua, se não completamente etéreo, ainda de tirar o fôlego – suave, assombrosamente simétrico, com um espesso cabelo cor de chocolate imperturbável por qualquer traço de cabelos brancos. O ator passou a maior parte de sua carreira tentando abdicar da posição de símbolo sexual de Hollywood, mas parece não haver nada que ele possa fazer sobre a tenacidade de sua beleza. E ainda assim, a primeira coisa que sai da sua boca – assim que ele expele um trago – nos dá uma boa idéia de como ele prefere ser visto, e como ele vê a si mesmo.

“Em Los Angeles, as pessoas bonitas, se sentam na Sunset Strip e comem sua refeição em restaurantes do tipo da moda, onde ninguém pode fumar – mas você pode inalar fumaça de carro o quanto puder.” Ele balança a cabeça. “Quero dizer, isto para mim diz tudo.”

Fumar é uma metáfora útil para Depp da auto-imagem – renegado, europeu, direto. Ele conseguiu abandonar o hábito por dois anos e meio, e apesar de ter que fumar em quase todas as cenas de seu novo filme, ‘The Rum Diary’ – “as coisas são simplesmente falsas, eu acho que eles são feitos de couro curado ou alguma coisa, eles são realmente horríveis, você acende e cheira como uma pneus queimados “- foi só na viagem de volta para casa que a nicotina o recuperou.
“Um trago no charuto Café Crème horrível de Bruce Robinson ,Um trago -.. Sim, um trago e acabou” Robinson, por sua vez, saiu fora dos trilhos ao fazer ‘The Rum Diary’ e começou a beber novamente. “Sim”, sorri Depp, “foi o presente que demos um ao outro.


“Eu somente disse: ‘Vamos lá, me dá um trago.” Bruce e eu estávamos no avião, e eu disse: ‘Oh, vamos lá’ . Você sabe, nós tínhamos bebido um pouco – e … “Ele faz uma mímica dando uma tragada. No avião? “No avião, mmmm”. Eu olho intrigado. Ele olha momentaneamente tímido. “Bem, foi em um avião particular. Em um avião particular se pode fumar. Torna-se um hábito extremamente caro, é claro”, ele encolhe os ombros, “porque você só pode fumar em um avião particular.”
Na verdade, diz ele, fumar não é a única razão que ele sempre voa particular. “A coisa do voo comercial, só fica um pouco estranho quando você está em pé na fila e de repente você não é mais apenas um cara de pé na fila, você se torna espécie de novidade.”

Depp se tornou um ídolo teen na série de TV dos anos 80 ‘21 Jump Street’ (Anjos da Lei), desde então a estrela tem estado em guerra com sua própria fama. Um ator acidental, ele veio para LA em sua adolescência esperando por um contrato de gravação para sua banda de rock, mas acabou fazendo televendas até que ele caiu na atuação, e antes que ele soubesse, ele era um ‘pin-up’ internacional. Depp passou a maior parte dos anos 80 e 90 ficando muito bêbado, saindo com Kate Moss e Winona Ryder, brigando com fotógrafos e gerando mais da publicidade ele achava tão opressiva. Nenhuma quantidade de papéis sobre rejeitados, obscuros ou esquisitos – Edward Mãos de Tesoura, Ed Wood, Don Juan DeMarco – poderia tirá-lo das colunas de fofocas.


“Quero dizer, todos esses filmes não se saíram bem nas bilheterias. Mas eu ainda tinha paparazzi me perseguindo , por isso foi a coisa mais estranha do mundo. Onde quer que você passava, você estava em exposição. Era sempre algum tipo de estranho ataque aos sentidos. Eu nunca fui capaz de abraçá-la. Então, a auto-medicação “, que significa beber e drogas”, era apenas para ser capaz de lidar com isso “.
Esta estratégia durou até o nascimento de sua filha, Lily-Rose, em 1999, com a atriz e cantora francesa Vanessa Paradis, que ele credita a mudança – mesmo a salvação – da sua vida. O casal retraiu-se para trás dos muros de casas em Paris, nas Bahamas e no sul da França, teve um filho, Jack, agora nove anos, e dedicou-se a uma vida familiar privada, cultivo de legumes e vinhas, com Depp ressurgindo apenas para fazer aclamado por critica, se comercialmente não espetaculares filmes. Isto soa como um idílio de simplicidade saudável e integridade artística. O único problema é “Eu não saio. Eu não vou a lugar algum. Não saio de casa simplesmente.”

É uma profissão estranha, onde o prêmio para o sucesso é prisão domiciliar, não é? “É uma oportunidade muito privilegiada que me foi dada, obviamente. Você sabe, os benefícios são certamente muito bons”, ele sorri. “Mas há uma troca, como com qualquer coisa. Alguém sempre vai lhe trazer a conta. A fatura vem.” E a conta é a sua liberdade.

Depp poderia ter sido autorizado a recuperar um pouco de sua liberdade a esta altura, se não fosse por uma escolha que ele fez há 10 anos. Não somente lhe rendeu a sua primeira indicação ao Oscar, o que fez dele a estrela de cinema mais bem paga de todos os tempos, ganhando US $ 75 milhões entre junho de 2009 e Junho de 2010 sozinho. Performances premiadas como ‘Charlie e a Fábrica de Chocolate’, ‘Em busca da Terra do Nunca’ e ‘Sweeney Todd’ asseguraram sua metamorfose em ouro nas bilheterias – e tudo por causa do desempenho como o Capitão Jack Sparrow em Piratas do Caribe no primeiro filme.
Será que ele antecipou o que o papel poderia fazer para sua carreira? “Na verdade, não. Piratas foi um filme que eu fiz como qualquer outro, eu fiz esta escolha da mesma maneira que eu fiz todas as outras escolhas.”

Sabendo o que sabe agora, eu pergunto se ele teria pensado duas vezes antes de fazer isso. … “Eu não mudaria nada, não. Porque eu acho que eu me lancei nele inocentemente, e tornou-se o que é. E agora eles querem me derrubar instantaneamente, assim que eu fiz Piratas II, eles dizem: ‘Oh , ele está se vendendo. ” O que é que isto significa, se vendendo ? E se eu tivesse feito Ed Wood II, seria se vender? Quero dizer, não é como eu estivesse de olho para se tornar um garoto de franquia, eu nunca procurei me tornar algo parecido . Eu só me agarrei a um personagem que eu amava. ”

Tendo tornado-se o “garoto franchise” nada fez para diminuir a credibilidade de Depp. Mas eu não tenho certeza que qualquer dos seus filmes realmente conta para o seu status de ator mais legal do mundo, ou faz muita diferença de qualquer maneira. Também não pode ser por sua beleza por si só, ou os homens não ficariam doidos por ele. Acho que nos aproximamos de uma explicação quando falamos sobre ‘The Rum Diary’, Depp e sua amizade com Hunter S Thompson.


O filme é baseado em um romance inédito que Depp encontrou no porão da casa de Thompson na década de 90. Fortemente autobiográfica, conta a história de um repórter bêbado e jovem chamado Paul Kemp que vai trabalhar para um jornal em Porto Rico em 1960, e torna-se indignado com a corrupção e a devastação causada pela chegada do capitalismo norte-americano na ilha. O filme se transforma em um conto de integridade jornalística heróica – mas não, na verdade, um bom filme.

A antiga versão LSD de Thompson, com Depp atuando em ‘Medo e Delírio em Las Vegas’ foi anárquica, engraçada e inteligente -, enquanto a mais jovem encarnação como Kemp é ingênua, terrivelmente séria e leva a si mesmo e sua noção de ser um escritor tão a sério que só um estudante de jornalismo mais impressionável pode assistir sem servilismo. No entanto, para Depp, Kemp é o ultimo herói romântico – sem compromissos, sem ironia – e sua idolatria ao escritor torna-se quase sem fôlego.
“Você sabe que Hunter datilografou ‘O Grande Gatsby’ ? Ele via cada página que Fitzgerald escreveu, e ele copiou. O livro inteiro. E mais de uma vez. Porque ele queria saber como iria se sentir ao escrever uma obra-prima. Ele era tão faminto, sim. Inocente e ansioso “. Depois que Thompson viu ‘ Medo e Delírio’, Depp ficou um feixe de nervos, e chamou-o para perguntar se ele odiava. “Deus, não cara,” Thompson disse a ele. “Foi como uma misteriosa trombeta sobre um campo de batalha perdida”. Depp parece impressionado. “Essas palavras saíram, e eu pensei, inferno, que frase bonita.” Ele a repete lentamente, carinhosamente: “Uma misteriosa trombeta sobre um campo de batalha perdida”.

Eu acho que é própria inocência de Depp – expressada com indiscriminada adoração por aqueles que o admira – que poderia ser o que os homens respondem. É uma coisa estranha, mas uma estrela com uma fraqueza para o adoração de herói público parece inspirar delirantemente a adoração do herói em seus fãs. Depp é um entusiasta famoso, com muito bom gosto – ele adora ‘Withnail e eu’, ‘The Fast Show’, Jack Kerouac, o jornalismo gonzo, bebidas destiladas, vinho bom e guitarras de rock. Mas um monte de homens no meu bar local em Hackney também adoram. Só na Hollywood de hoje, onde a maioria dos galãs são tradicionalmente demasiados inseguros ou sem discernimento para compartilhar esses gostos com entusiasmo infantil e humilde, não conferem o status de Jean-Paul Sartre misturado a James Dean.


Depp é pensativo, simpático e um bom divertimento. Seria muito difícil não gostar dele. Mas – e eu percebo que isto equivale a uma heresia – ele não é provavelmente o melhor ator do mundo, por enquanto ninguém pode se igualar a ele nas ‘esquisitices’, mas um papel direto e discreto como Kemp expõe suas limitações. 

Mas ele encarna um ideal coletivo de ser “cool” que atinge os homens.
Recentes bilheterias nos EUA sugerem que ‘The Rum Diary’ pode não estourar – mas ele diz que não se importa com o dinheiro. “Não, Deus não, não. É sempre um negócio arriscado, e realmente se você tem isso em sua cabeça enquanto você está fazendo um filme o processo se tornaria algo muito diferente. Não, 
eu não poderia dar a mínima, de verdade, na verdade não. ”

A campanha publicitária na semana passada pode fazer cínicos sugerirem o contrário. Mas o filme é uma homenagem de Depp para Thompson, que morreu em 2005, e também o primeiro lançamento pela produtora de Depp, o que contaria para sua campanha de mídia não caracteristicamente energética. “Eu acredito que este filme, independentemente do que ele arrecadou, você sabe, Wichita, Kansas, esta semana – o que é, provavelmente, cerca de US $ 13 -.. Não faz qualquer diferença, eu acredito que este filme terá uma vida útil nas prateleiras,eu acho que vai ficar por aqui e as pessoas vão vê-lo e apreciá-lo. “Será que ele suspeita que estreará melhor na Europa do que os EUA?
” Definitivamente será mais apreciado por aqui, eu acho porque é -. Bem, eu acho que é um filme inteligente.” Ele faz uma pausa significativa. “E muitas vezes, fora das grandes cidades nos Estados Unidos, eles não querem isto.”


Depp tem um caso de amor bem documentado com todas as coisas européias também sempre teve uma pitada de herói sobre isto. Eu pergunto se há alguma coisa que ele não gosta sobre a Europa, e ele pensa muito por um tempo. “Não. Não que eu possa pensar agora, não. É uma cultura muito antiga e bonita, as pessoas sabem como viver. Sabe, aqui você tem o assado de domingo ou o almoço no pub, esse tipo de coisa. É reconfortante. Nós não temos isto em nossa cultura nos Estados Unidos. Domingo é dia de futebol, por isso é asas de frango e pizza. ”

Ele esteve em maus lençóis em 2003 ao descrever os EUA como “burros” a outro entrevistador em 2000: “Eu quero estar no país onde a vida é simples, e não temos se preocupar em ser assaltado ou abordado por um cara vendendo crack na rua. ” Depp sempre foi desesperante sobre a cultura inútil da América e a violência pelo que me lembro, e na França é tão importante para sua identidade como um sofisticado discernimento que eu pensei que ele nunca voltaria para os EUA. Então, quando eu perguntei se ele jamais poderia imaginar vivendo lá de novo, sua resposta veio como uma surpresa.
“Bem, eu meio que faço isto. Estou entre onde quer que eu esteja filmando e depois disto nos Estados Unidos.”

O quê? Espere um minuto, por que ele deixou a França? Ele faz um barulho azedo, meio gutural, Hurrumph . “Porque a França queria um pedaço de mim. Eles queriam que eu me tornasse um residente permanente, um status de residência permanente -… O que muda tudo. Eles só querem”, e ele faz uma mímica descolando notas na palma da mão. “Grana. Dinheiro”.


Se Depp fica mais de 183 dias na França, ele explica, indignado, ele teria que começar a pagar imposto de renda. “Eu certamente não estou pronto para desistir da minha cidadania americana. Você não tem que desistir de sua cidadania americana”, acrescenta sarcasticamente, mas então ele teria que pagar impostos em ambos os países, ” você, essencialmente, trabalha de graça”.

E, de repente, ele soa exatamente como o seu corporativo multimilionário da América – anti-governo, anti-impostos e, aparentemente alheio à estas afrontas que a corporação monstruosa desempenha na criação de um país onde não se tem que se preocupar em ser assaltado por traficantes de crack em todas as ruas.

Talvez ninguém – nem mesmo Depp – jamais poderia viver de acordo com a lenda heróica de Johnny Depp. Tão profunda é a nossa ligação com a mitologia, porém, duvido que ele qualquer coisa que ele diz ou faça ira desfazer isto. Antes de eu ir, eu pergunto se a célebre história dele e Kate Moss encomendarem uma banheira cheia de champagne em um hotel da moda em Notting Hill realmente aconteceu.
“Eu acho que nem estávamos no hotel”, ele sorri como desculpa. “Não, não é verdade. Eu gostaria que tivéssemos feito isso. Mas sabe, eu não sou a pessoa mais extrovertida do mundo. Eu não estou particularmente… eu não sou … Eu não sou …” e ele procura em vão a palavra. “Você sabe, na minha essência eu sou muito tímido. “Eu só tenho um trabalho estranho.”
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...